Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gorda sim, mas com Humor!

Sou uma Ex-Obesa Morbida e criei este blog apenas para que a minha experiencia possa ajudar e esclarecer quem tambem sofre desta doença

Banda Gástrica e Bypass Gástrico

Tenho percebido que existe uma grande confusão sobre as diferenças da Banda Gástrica e do Bypass Gástrico (que é o que eu vou fazer).

Vou entao tentar explicar um pouco o que é cada um...

Começo por dizer que a operação de redução de estômago é uma solução para pessoas que sofrem de obesidade morbida.

Ok! e perguntam vocês: " Como é que se sabe se a obesidade é morbida ou não?"

Pois bem, calculando-se o Indice de Massa Corporal (IMC).

Para este tipo de cirúrgia terão que ter um IMC acima dos 40, ou dos 35 se sofrerem de doenças complicadas e associadas ao excesso de peso e que com a operação possam melhorar.

Mas não depende só do IMC... Toda uma equipa incluindo nutricionista e psicóloga decidem se estaremos aptos ou não á cirúrgia depois de vários exames.

 

banda.jpg
A colocação da Banda Gástrica é talvez a mais conhecida e consiste em ser colocado uma banda (tipo um anel) que aperta a parte de cima do estômago.

A banda é feita de silicone e pode ser manipulada de acordo com as necessidades, ou seja, pode ser apertada ou alargada permitindo que se coma mais ou menos e consequentemente emagreça mais ou menos.

 


bypass.jpgO Bypass Gástrico é uma intervenção mais complexa e demorada que a banda gástrica, consiste em fazerem um corte numa pequena porção do estomago, a mais alta, onde criam uma pequena bolsa, que depois é ligado directamente ao intestino delgado, ou seja é feita uma passagem directa dos alimentos para o meio do intestino.

Desta forma passa-se a comer menos quantidade como acontece com a banda mas também absorve menos, logo há um melhor resultado e uma maior perda de peso.

 

laparoscopica.jpgAmbas as cirúrgias hoje em dia são feitas por laparoscopia que é uma técnica que permite fazer a cirúrgia sem ser de "barriga aberta" sendo apenas necessário fazer uns pequenos furinhos onde introduzem pequenos tubos que atravessam a parede abdominal permitindo insuflar CO2 no interior do abdomen criando um espaço suficiente para, com pequenos e longos instrumentos que entram dentro desses tubos, se consigam manipular os orgãos e realizar o pretendido, tudo isto com visão indirecta transmitida desde o interior do abdomen a partir de uma pequena camera aí colocada também, por um desses tubos.

Dada a pequena dimensão dos tubos as lesões (cortes) provocados são muito pequenas e dai que sejam operacões que provocam pouca dor e permitam uma recuperação rápida..

Em ambas as cirúrgias são sempre acompanhadas a longo prazo por uma equipa que inclui nutricionista e psicólogo e cirurgião.

 

sorriso.gifsorriso.gifsorriso.gifsorriso.gifsorriso.gifsorriso.gifsorriso.gifsorriso.gifsorriso.gifsorriso.gifsorriso.gif

 

Agora para desanuviar...

Fui uma adolescente dos anos 80, no tempo em que havia matinés nas discotecas...e eu dançava horas infinitas com este corpinho (na altura um verdadeiro danone) ao som do videoclip do Michael Jackson...

Mas os tempos mudam...eu mudei (e como!) ...e o videoclip até parece que se adaptou a mim! sorriso.gif

Divirtam-se!

Obesidade*

 

obesidade.jpg

A obesidade é um excesso de gordura na composição do corpo, mas só pode ser chamada assim quando mais de 20% da massa corporal total for constituída por gordura (30% no caso das mulheres).

A obesidade poderá derivar de vários factores:


O factor Genético (herdado dos pais e, ou familiares) pois, todos nós conhecemos pelo menos uma familia em que todos (ou quase todos) são obesos.A hiper-alimentação pode representar um distúrbio da dinâmica familiar.

 

Depois de temos o factor Psicológico que na maioria das vezes tem um historial de depressões, sentimentos de culpa, distúrbios do sistema nervoso, o que faz muitas das vezes o obeso isolar-se e em caso extremos levar ao suicídio.

 

Existe também o factor Económico pois as dietas obrigam a uma despesa extra e nem sempre é suportável na carteira.
Um vestuário mais caro, e a dificuldade de se posicionar em cargos notórios são só mais alguns factores económicos entre outros

 

Ser obeso, acarreta vários problemas, e os mais comuns são os Sociais, dificuldades em sentar numa cadeira de esplanada sem ter o receio de que ela se parta, conseguir passar em portas estreitas, ou sentar nos transportes públicos sem ocupar o lugar ao lado, mostra-nos que o mundo não foi feito a pensar nas minorias.
O cansaço ao andar, subir ou descer escadas, correr para um transporte público ou até mesmo a dificuldade em exercer as actividades do dia a dia são mais alguns problemas que o obeso enfrenta.

 

No entanto existe algo mais preocupante...
A saúde do obeso! Á medida que o obeso "cresce" também começam a surjir as limitações e comorbidades.
Doenças como a apneia de sono, hipertensão arterial, diabetes, varizes, doenças articulares, aumento de colestrol, AVC, insuficiência respiratória e cardíaca, entre outras...são comorbidades que diminuem a expectativa e qualidade de vida de um obeso.

 

A classificação de um obeso é feita baseando-se no Indice de Massa Corporal (IMC).
Esse cálculo matemático é feito dividindo-se o peso do obeso (em quilos) pelo quadrado da sua altura (em metros).
Vou-vos dar o meu exemplo:
Eu pesava 120 Kg quando fui operada e tenho 1,70 de altura por isso:

 

IMC = 120 : 1,70 x 1,70
IMC = 120 : 2,89
IMC = 41,52

 

Uma pessoa com IMC até 25 é considerado que tem o peso ideal ou normal.
Pessoas com IMC até 35, desde que não tenham comorbidades podem ser tratadas com métodos não cirurgicos (dietas, mudanças de hábitos alimentares e exercícios).

Mas com IMC acima de 40 ou de 35 caso tenha comorbidades já é considerado obesidade.
Para calcular o vosso IMC basta Clica Aqui

De ter em atenção que para pessoas musculosas, onde o excesso de peso é constituido de proteinas musculares o IMC não é fidedigno.

 

Androide.JPG

 

Embora o total de gordura no nosso corpo seja importante é mais relevante ainda, saber onde ela está localizada.
Dependendo do segmento corporal no qual a predominância da gordura está localizada, existem duas classificações:

 

- A Obesidade Androide (tipo masculino), na qual apresenta uma forma corporal como uma maça.
Ombros, costas e peito proporcionalmente maiores que as coxas.
A gordura fica centralizada no abdomên tendo mais risco de vida.

 

 

Ginoide.JPG

 

- A Obesidade Ginoide (tipo femenino), na qual apresenta uma forma corporal semelhante a uma pêra. Com ancas mais largas que os ombros, cintura bem marcada e um "rabiosque"sorriso.gifbem defenido e proeminente.Esta gordura fica localizada na anca. Este tipo de obeso tem mais dificuldade em se locomover e está associada a um risco maior de artoses e varizes.

 

O tratamento da obesidade deve ser sempre clínico e orientado por um endocronologista, baseando-se em reeducação alimentar, aumento de actividade fisica e sempre com apoio psicológico.
Mas no caso da obesidade mórbida estes métodos não se mostram muito eficazes, sendo a cirurgia uma opção por ter uma redução de peso eficaz.

 

É de ter em atenção que mesmo para quem faz a cirurgia terá que aprender a fazer uma reeducação alimentar e adoptá-la para a sua vida, ingerindo uma dieta variada,comendo todo o tipo de proteina, gorduras certas e acompanhado de actividade fisica e tratamento psicológico.